A casa de notícias para os fãs da Nintendo

Análise – Breathedge

Breathedge, um jogo de sobrevivência no espaço com toque de humor, chega ao Nintendo Switch.

ENREDO

Breathedge começa como quase todo survival com história: um acidente acontece.

Nesse caso, enquanto levamos o falecido avô do protagonista para o enterro no espaço, em uma imensa nave “Sem Nome” da empresa Breathedge. A nave é destruída e deixa à deriva todos os sobreviventes, porém, com a ajuda da IA do nosso traje (e de uma galinha imortal), temos que procurar um meio de pedir ajuda e montar uma base enquanto ela chega. Tudo acontece em meio a piadas sobre a vida e outros jogos desse estilo, inclusive sobre a própria história.

Algo que me incomodou um pouco é que em muitos momentos a IA começa a falar um texto enorme e bem rápido, que talvez pudesse ser útil, mas é apenas alguma curiosidade sobre a nave e nenhuma informação válida para a sobrevivência. Expandir o universo durante a gameplay é interessante, porém, no início, há uma enxurrada de informações que acabam se perdendo facilmente em um momento que você está concentrado em outra coisa.

 

GRÁFICOS E TRILHA SONORA

Os gráficos de Breathedge são muito bons, do tipo que fazem o jogador se perguntar como conseguiram fazer ele rodar no Switch (na minha opinião, não é algo tão grande, mas passou essa impressão nas primeiras horas), considerando que os mapas de survival são carregados todos e uma vez e costumam ser pesados.

Entretanto, a equipe soube contornar bem, utilizando recursos para equilibrar o consumo de processamento e diminuindo a qualidade das partes que não estão sendo observadas no momento (algo parecido com draw distance); isso é bem perceptível quando se viaja muito rápido ou a visão muda bruscamente. No modo portátil, isso não é nada demais, porém, no dock, ele tenta carregar e manter mais áreas vistas com uma qualidade maior por mais tempo, o que tem ocasionado fechamento brusco do jogo e pode apagar algumas horas de jogo do save automático (já fica a dica para não depender dele).

Até o momento desta publicação, esse problema ainda não foi sanado, mas ele não é exclusivo do console, uma vez que achei diversas reclamações iguais no Discord dos desenvolvedores vindas de pessoas que jogam no PC.

A trilha sonora pode ser separada em duas partes: uma sinfonia espacial bem sutil, quase imperceptível quando se está explorando o espaço afora em busca de recursos e viver mais um dia, e a outra é uma trilha sonora que parece música de elevador, enquanto ficamos na base construindo ou planejando (felizmente, essa segunda pode ser desligada separadamente).

Considerando que Breathedge é um jogo no espaço, sua trilha sonora é bem imersiva nesse ponto.

JOGABILIDADE

O começo pode ser confuso, pois logo após se recuperar de um acidente com a nave, recebemos dezenas de informações, mensagens, marcações de locais etc., e fica difícil sabermos para onde ir. Entretanto, a lista de tarefas ajuda a te guiar na maioria das vezes, e o resto fica a cargo da curiosidade de explorar a imensidão do espaço e criar novas ferramentas, sempre focando em criar novos recursos, algo básico nesse estilo.

Um toque bem interessante é que as ferramentas que você cria parecem ter sido criadas por um náufrago do espaço e não são criadas do nada só porque você juntou materiais e seguiu alguma receita para fazê-las. Breathedge brinca muito com isso durante a campanha e não se leva muito a sério, ao mesmo tempo em que utiliza seu universo insano para fazer algumas críticas a nossa sociedade.

E como não pode faltar, temos vários modos de jogo à disposição:

  • Modo padrão:

Survival básico com história e uma dificuldade moderada, em que os recursos são normais e você pode platinar o jogo desbloqueando achievements.

  • Modo história:

Tem recursos infinitos e te deixam aproveitar melhor a história do jogo sem se preocupar tanto em sobreviver, porém, os achievements não são liberados.

  • Modo impossível (também conhecido como hardcore):

Para quem busca um desafio maior; se você morrer uma vez, terá de começar tudo do zero.

  • Modo livre (também conhecido como criativo):

Neste modo, temos acesso a todos os materiais, sem a necessidade de coletá-los, mas não temos história ou achievements. Ideal para quem curte explorar seu lado mais construtivo e as mecânicas do jogo.

Gastei em torno de 30 horas para terminar a campanha no modo padrão. É bem desafiador saber equilibrar a fome, a sede e o oxigênio no início, mas depois de algum tempo coletando e criando recursos, conseguimos ir cada vez mais longe e respirar mais aliviados (entenderam?); além disso, podemos descobrir o real motivo desse desastre espacial. O jogo também tem muitas piadas – algumas não devem agradar a todos, mas isso já é avisado desde o começo.

Breathedge
Veredito
Apesar de alguns problemas de performance, é um ótimo survival com história. Sua sátira ao próprio estilo e aos seus clichês é muito boa, e tem bastante extras para colecionar. Recomendado para quem busca um survival mais calmo e sem sustos.
Prós
Roda bem no modo portátil
Gráficos razoávei
Boa narrativa
Contras
Roda mal no modo dock em mapas maiores
Enxurrada de informações no início, criando uma poluição visual no mapa
Humor baseado quase totalmente em memes da internet
7
Bom
Comentários