A casa de notícias para os fãs da Nintendo

Análise: Concept Destruction

Nesta disputa, você deve, literalmente, amassar os seus adversários!

Um veículo, uma pista e um modo de jogo. É tudo o que você precisa para mergulhar nas disputas de Concept Destruction, onde temos divertidos duelos envolvendo carrinhos de papelão movidos a pilha, os quais tentam, literalmente, amassar e, ao mesmo tempo, evitar serem amassados pelos seus adversários.

Lançado no último dia 22 de maio para Nintendo Switch, o título também encontra-se disponível para Xbox One, Playstation 4 e Steam. No caso do console da Nintendo, o game pode ser adquirido em versão digital através da eShop.

Ligando os motores

Ao abrir o jogo, podemos rapidamente conferir o menu principal, o qual traz os modos de jogo e as opções de configuração. Um ponto a ser destacado e facilmente notado aqui é o rápido carregamento entre as telas, incluindo as de entrada e saída das disputas.

Seguindo a ordem conforme aparece no menu, temos, incialmente, o modo Championship. Nesta opção, competimos em um total de oito cenários, com o objetivo de ficar nas primeiras colocações no final de cada evento. Para isso, devemos atingir os adversários até que fiquem totalmente destruídos.

Menu principal do jogo

Cada vez que um dos carros é atingido, recebemos uma quantia em dinheiro para, posteriormente, utilizarmos no desbloqueio de outros veículos. Inicialmente, somente um carro está disponível para escolha, mas o jogo oferece um total de oito modelos, cada um com um valor distinto de compra, e a possibilidade de personalizarmos as cores da lataria.

Em relação aos cenários, temos alguns que lembram a superfície de uma mesa de escritório, com réguas, canetas, lápis e clips espalhados por todo canto. Em outros, temos a sensação de estarmos dentro de um estádio de futebol americano ou no centro de alguma cidade repleta de grandes construções.

Assim como os carros, os demais objetos existentes nos cenários costumam ser todos de papelão, como rampas, árvores, cercas e paredes das construções. As estruturas parecem ter sido todas desenhadas a mão e coladas ou montadas em cima de uma base. Apesar de simples, a arte gráfica do jogo agrada bastante.

Modo School oferece um rápido treinamento para iniciantes

Voltando ao menu principal, ainda temos os modos Single Event e Multiplayer. Ambos contam com partidas independentes, com as mesmas opções disponíveis no modo Championship, em relação a carros e cenários. Entretanto, nestes casos, temos três tipos de disputa possíveis: Normal, Survival e Tourism.

Em caso de escolha do evento Normal, o competidor deverá tentar destruir os adversários e não ser, logicamente, destruído por eles. Já no evento Survival, você será o único alvo e, por isso, os demais carros tentarão destruí-lo de qualquer jeito. Dessa forma, o seu objetivo será sobreviver a isso. Por fim, no evento Tourism, você não precisará se preocupar com nada e deverá apenas aproveitar o cenário para passear e curtir.

Ainda no menu principal, o modo School, através de três lições, permite que o jogador possa praticar a dirigibilidade dos carrinhos. Durante o treinamento, temos que realizar três pequenas tarefas dentro de um tempo pré-determinado. O nível de dificuldade não é elevado e é facilmente possível obter êxito já na segunda ou terceira tentativa.

É dado o sinal verde

Ao iniciar, o jogador pode notar que a dirigibilidade dos veículos costuma variar bastante. Com o tempo, é possível dominar as particularidades de cada carro, evitando perder o controle principalmente durante as curvas. Não é algo muito complexo, mas alguns modelos são, de fato, mais fácil de serem controlados que outros.

Além disso, todos os carrinhos contam com um “turbo”, o qual pode ser utilizado na hora de provocar maiores danos aos adversários. Entretanto, esse recurso costuma influenciar ainda mais no controle do veículo, podendo se tornar um problema caso seja utilizado em determinadas áreas do cenário.

Na janela de seleção, temos informações a respeito de cada modelo

As características de cada modelo de carro surgem já na tela de seleção, onde temos informações a respeito da velocidade, dirigibilidade e peso. Também é nesse momento no qual podemos escolher entre as três pinturas disponíveis para o veículo. Após selecionarmos as nossas preferências, é dado o sinal verde.

Durante os embates são sempre fornecidas informações sobre a quantidade de veículos na disputa, o estado da estrutura do seu carrinho e as partes já atingidas pelos adversários, a carga de bateria disponível (é sempre necessário manter o nível em alta, capturando, para isso, pilhas que surgem pelo cenário), o tempo restante, e o dinheiro já conquistado até o momento.

Uma visão geral do jogo

Concept Destruction traz uma proposta simples, mas interessante. Os duelos entre carrinhos de papelão lembram, de uma forma mais “light”, o bate-bate já apresentado por outros títulos com ideias semelhantes. Neste caso especificado do título em análise, temos um estilo inteiro que nos remete a carrinhos construídos de forma artesanal, bem como os cenários de disputa.

As músicas reproduzidas durante os duelos são de alto nível e combinam totalmente com o que é apresentado em tela. Trata-se de um excelente setlist a ser apreciado, sendo este um destaque positivo a mais a ser feito.

Carrinhos e cenários são todos de papelão

Porém, alguns pontos negativos também devem ser mencionados. Em primeiro lugar, não há nenhum tipo de power-up no jogo, o que torna os embates, até certo ponto, monótonos. A ausência de elementos que possam desequilibrar positivamente as disputas, por muitas vezes, limita os embates a carrinhos se batendo apenas de forma aleatória.

Os cenários também poderiam apresentar uma maior variedade, pois apesar de trabalharem com diferentes temas, em pouco tempo, se tornam repetitivos. Outro fator é que alguns deles são extensos demais para a quantidade de veículos em disputa. Em muitos casos, por conta disso, você passa mais tempo procurando por algum adversário “perdido” no mapa do que, de fato, batalhando com alguém.

Como sugestão, o game poderia oferecer uma quantidade maior de veículos e opções de customização dos carros. Também deveria ser ofertado ao jogador a possibilidade de personalização dos mapas. Assim, poderíamos ter espaço no game para realizar alterações envolvendo, por exemplo, o clima (chuva, neve, etc), a velocidade do jogo (carros correndo ainda mais rápido), e a criação de adversidades ao longo das batalhas (objetos caindo do céu, estruturas desmoronando, fogo na pista, água acumulada, etc).

Premiação final do modo Championship

No geral, a experiência com Concept Destruction foi positiva. O jogo ainda tem um grande potencial a ser explorado pela produtora, o que pode tornar o título bem mais interessante. A lista de ausências citada anteriormente é facilmente percebida, mas a adição de conteúdo no futuro resolveria boa parte do problema.

Para passar o tempo e se divertir de forma leve, o jogo cai bem. No início, você deverá enfrentar um pouco de dificuldade na hora de tentar colocar um carrinho para correr por aí, mas logo pegará o jeito. Conforme for testando os modelos, deve garantir o seu preferido e partir para cima dos seus adversários, fazendo o máximo para não ser destruído por eles primeiro. Com o tempo, vai perceber que o mais difícil será não ver o seu carrinho se transformar em um monte de papelão amassado.

*Análise realizada com cópia digital do jogo fornecida gratuitamente pela Ratalaika Games.

60%
Bom

Concept Destruction oferece divertidas disputas envolvendo carrinhos de papelão movidos a pilha, no qual o seu objetivo é, literalmente, amassar e evitar ser amassado pelos seus adversários. O jogo conta com uma trilha sonora de alto nível, boa jogabilidade, cenários tematizados com estruturas de papelão, e veículos customizáveis.

  • Final
Comentários