A casa de notícias para os fãs da Nintendo

Análise Inside

1

A Playdead conseguiu uma enorme visibilidade ao lançar o jogo Limbo que a pouco foi portado para o Nintendo Switch. Essa visibilidade deixou todo mundo de olho no próximo titulo da produtora e aqui estamos nós ansiosos para saber como ficou.

Inside é um jogo do gênero plataforma 2D com enigmas, basicamente ele é sucessor espiritual de Limbo e isso é bom. Ao começar Inside fica claro que o estilo artístico adotado é muito interessante e vai fazer com que o universo pareça estranhamente reconhecível e ao mesmo tempo confuso.

Varias vão ser as vezes que você vai se pegar tentando adivinhar o que vai acontecer na historia baseado no seu visual e pode acreditar, tudo só fica mais confuso.

Tudo começa quando o personagem que você controla se encontra em uma floresta fugindo e o titulo se utiliza disso como uma espécie de tutorial para explicar as mecânicas, todavia em nenhum momento você é interrompido, e seguir adiante é o que lhe mantem.

A historia por vezes parece simples e por vezes é super confusa, a verdade é que você vai terminar com varias teorias sobre o que aconteceu, e acreditem, isso é sensacional. Um dos pontos mais fortes é a possibilidade de cada pessoa conseguir entender o que aconteceu de uma forma diferente, eu mesmo fiquei em duvida sobre varias coisas e provavelmente eu nunca vou descobrir.

A jogabilidade é muito boa e na maior parte dos momentos deixa você confortável para resolver os pequenos enigmas que geralmente são simples e inteligentes, foram poucas a vezes que eu me senti desafiado, todavia acho que a maioria das pessoas vão conseguir terminar o jogo sem ficar preso em algo parte.

Alguns enigmas exigem um pensamento criativo e são até divertidos de lembrar. Literalmente tudo está tentando lhe matar, capturar ou seja lá o que for e isso sempre deixa a sensação de perigo imediato, fazendo com que você tenha uma certa cautela, todavia nas pouquíssimas vezes que morri, normalmente devido a não entender o que o enigma pedia, o check point se encontrava tão perto que toda a sensação de perigo ia embora. Simplesmente não há perdas e seguir em frente se torna bem simples.

Os efeitos sonoros são muito bons e as musicas são raras, acredito que tudo combina muito bem com o ambiente.

Toda essa magia para conduzir o jogador em diante tem seus pequenos defeitos e posso dizer que muitas vezes tudo se torna um grande corredor, você segue em frente resolvendo pequenas tarefas e correndo. Só depois de uma certa parte salas mais inteligentes e bem boladas aparecem, mas elas são pouco utilizadas e quando você está empolgado o jogo termina.

Outra característica que gerou um certo desagrado foi em determinado momento há um reaproveitamento de cenários e isso deixa tudo muito parecido, fazendo um contraste com o inicio onde as salas são bem variadas e curiosas.

Em um enigma você vai ter que andar muito por uma longa sala e isso pareceu um jeito de tornar Inside mais longo, todavia acho que como acontece apenas uma vez não vai deixar você irritado, mas considero que mesmo pequeno Inside tem um bom tamanho e termina no momento certo, deixando o gostinho de quero mais.

O titulo é recomendado para qualquer pessoa e vai deixar você muito intrigado. Devido ao seu tamanho, boa jogabilidade e universo curioso tenho certeza que vai valer a pena as horas investidas.

85%
Mistérioso

Inside deixa uma boa sensação de aventura e mistério que deve agradar a maioria das pessoas. A Playdead conseguiu novamente nos deixar pensando sobre o que está acontecendo e por anos vamos continuar a fazer teorias.

  • Total
O jogo foi gentilmente concedido pela Playdead para esta análise.
(The game was kindly granted by Playdead for this review.)

Deixe um comentário

1 Comentário em "Análise Inside"

Ser notificado por
Allaninja
Amiibo

Amei o jogo, queria saber se ele se deu bem em vendas no Switch, eu comprei pela e-shop mesmo, mas a maioria deve ter jogado antes em PC e outros consoles.

A jogabilidade é maravilhosa, gosto muito de games com esta temática de mistério. não achei tão fácil assim muitas das partes é necessário morrer 2 vezes pra que se possa prosseguir, sendo assim acho difícil finaliza-lo morrendo pouquíssimas veze.

No mais achei uma ótima Analise, não tenho muito o que dizer pois você já decifrou o jogo muito bem, Inside é tudo isso que está dizendo.