A casa de notícias para os fãs da Nintendo

Análise – Masters of Anima

0

Se você esta numa aventura pra salvar o amor da sua vida, tem horario na sua agenda pra salvar o mundo?


-O Enredo

A historia começa com o preguiçoso Otto e seu teste para se tornar um Mestre de Anima, Protetores da terra de Spark e manipuladores da anima para projetarem Guardians. Mas todo esse titulo não interessa Otto, já que ele quer apenas o titulo de Mestre para poder se casar com sua amada Ana, a maior mestra de Spark.

Tudo ocorreria muito bem, SE, não fosse pelo vilão do jogo aparecer e usar uma magia proibida para separa o coração,a mente e o corpo de Ana.

Agora cabe a Otto lutar contra as forças da corrupção que se alastram sobre Spark para salvar sua amada e se pá, salvar o mundo


-O Visual

A camera fica no sentido top-down, dando total visibilidade a sua volta —semelhante a Diablo 3—.

Com muitos efeitos luminosos e cenários maravilhosos indo de florestas, montanhas e cavernas à planícies de gelo e desertos, os objetos interativos se camuflam bem, dando dicas de interação apenas se o jogador se aproximar.

Mesmo com um exercito inteiro na tela, é possível se localizar bem, devido aos efeitos de luz e cores de cada unidade —os inimigos são sempre vermelhos, por ex.—


-A Jogabilidade

O jogo tem como base o sistema de hordas similar a franquia Pikmin. Pra quem nunca jogou o gênero, ele funciona basicamente assim:

  • Você contra Otto e tem total liberdade pelo cenário, podendo atacar os inimigos com seu cajado ou se esquivar/dar dash (necessários habilidades aprendidas)
  • Otto pode convocar uma serie de guardiões de diferentes tipos: Ataque, defesa, suporte, etc
  • quando convocados, os guardiões aparecem em esquadrões. Alguns 4, outros 2, varia pra cada guardião
  • e agora vem a melhor parte: dependendo da situação, você pode ter dezenas de guardiões pra comandar DE UMA VEZ SÓ
  • mas calma, tudo é explicado e aplicado gradativamente pro jogador ir se acostumando a cada fase a controlar cada vez mais ao mesmo tempo, e como lidar com cada situação.

Ao fim de cada batalha e fase, o jogador é classificado com uma nota —ranking padrão: E a S— que gera bonus de exp quanto melhor for o resultado. É avaliado: quantos guardiões seus foram perdidos, quanto dano Otto levou e o tempo total da batalha. A nota final da fase leva em consideração as notas de todas as batalhas.


-O Som e Extras

Todas as falas são dubladas e legendadas em inglês, tanto durante a historia quanto in-game. A soundtrack é bem rica e com efeitos sonoros precisos, se tornando um som agradável mesmo em longos períodos de jogo.

Otto e os guardiões contam com uma arvore de skills compartilhada. Isso seria ruim, mas o jogador tem total liberdade de remover os pontos e realocar para suprir uma necessidade ou dar aquele boost no novo guardião.

O jogo ainda conta com upgrade coletáveis para Hp de Otto, reservas de mana e fragmentos de um tablet com versos (ainda não peguei todos, não sei pra que servem).

O único problema sério que encontrei foi os loadings entre as fases serem muito pesados. O meu jogo foi instalado no SD, talvez se for baixado na memoria interna acelere um pouco a leitura —similar a Regalia—

Acredito também que se o jogo fosse mundo aberto geraria muito mais horas de gameplay devido a exploração. O fato das telas serem linear, tornam o jogo curto, mesmo para quem quer fazer 100% dele.

O jogo foi gentilmente concedido pela Focus Home Interactive para esta análise.
(The game was kindly granted by Focus Home Interactive for this review.)
81%
Maravilhoso

Master of Anima bebe da fonte de Pikmin adicionando mais ação as batalhas e dando um tema mais maduro. Ter total liberdade na adição de skills deixa a customização mais dinâmica, possibilitando experimentar builds sem o peso do "permanente". Confesso que o fato de o jogo não ser mundo aberto me "broxou" um pouco, mas nada que impeça de aproveitar o que o jogo tem à oferecer.

  • Design
  “imagens retiradas da internet”

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

Ser notificado por