A casa de notícias para os fãs da Nintendo

Analise – Mighty Goose

O ganso mais poderoso da galáxia na palma da sua mão

O ganso mais poderoso da galáxia na palma da sua mão.

Mighty Goose, é um run n gun frenético que não esconde sua inspiração nos clássicos de arcade já bem conhecidos. Com uma história simples e direta, o game entrega bem o que se propõe na medida certa.

ENREDO

“Viaje pela galáxia perseguindo o mal. Essa é a vida do Mighty Goose!”

Com essa frase acima, junto de um curta metragem feito em pixel art, temos todo enredo do jogo. A missão de Mighty Goose é acabar com o império do mal do vilão Void King para salvar a galáxia. Para isso, vamos abrindo caminho ao longo das fases. Cada uma delas se passa em um planeta ou base diferente, com uma certa independência do roteiro principal, contando a história do local, mas ainda com a constante lembrança da ameaça do Void King.

Goose é um ganso de poucas palavras (na verdade nenhuma), por isso, todo diálogo que temos são dos NPCs falando conosco e de uma maneira bem breve, afinal, quem quer parar pra conversar no meio de um tiroteio?

Toda a informação que você precisa fica voando no meio da tela (e tem informação até demais hahaha). Temos uma galáxia a salvar e o mal não dá folga.

Gráficos e trilha sonora

Os gráficos em pixel art de Mighty Goose são muito bem trabalhados; a animação é bem suave e bem ajustada à dimensão das telas modernas, criando cenários e personagens com pouco ou até nenhum serrilhado, isso faz que tudo fique bem mais dinâmico. Uma boa mescla entre retrô e moderno, mais uma vez mostrando suas raízes sem deixar de se destacar.

A trilha sonora, por sua vez, é uma das melhores que já ouvi nos últimos tempos. Ela é dinâmica, frenética no meio da ação e calma fora dela, contendo melodias de synth-rock intenso e jazz-fusion extravagante. A trilha foi composta por Dominic Ninmark (Moonrider, Blazing Chrome, Gravity Circuit).

Dá passar o dia todo jogando só pra ficar ouvindo as músicas sem enjoar.

Gameplay

Com apenas um modo de jogo, modo história e um total de 18 fases (campanha e new game+), o game pode parecer um pouco curto, mas tem ação na medida certa. Demorei apenas 4 horas para fazer 100% (mas não me usem de padrão, estava empolgado), e, apesar de parecer rápido, ele proporciona um bom desafio, como masterizar as esquivas, escolher habilidades (a melhor delas é grasnar) para usar e companheiros para levar, o ajuda para ter um rank melhor no fim da fase (eu mesmo só consegui melhorar o meu após zerar).

Apesar de ser um jogo de tiro, sua mecânica principal roda em um sistema de combo de inimigos derrotados. Eleve esse número e seu medidor Mighty sobe, lhe permitindo entrar no modo Mighty Goose, em que você fica invencível até a barra esvaziar, além de melhorar as suas armas durante esse período. Dominar essa técnica pode salvar sua pele muitas vezes.

Mighty Goose tem suas raízes em jogos run n gun de arcade, além de contar com essa ação frenética com tiros voando a todo momento; entretanto, por ser um jogo de console, não tem a necessidade de ter fases extensas para comer suas fichas. Isso cria um bom fator replay sem cansar o jogador durante a campanha, principalmente por ter alguns segredos escondidos que vão te fazer vasculhar fases por algumas vezes a mais, além de um coop local bem tímido usando os companheiros. Além disso, é bem possível que mais algum conteúdo venha para o game com alguma atualização grátis.

Mighty Goose
Veredito
Mighty Goose é um run n gun empolgante, tem uma arte suave, uma bela trilha, com muitas referências e bastante ação. Feito na medida certa para jogar de novo e de novo sem perceber.
Prós
Ótima trilha sonora
Cutscenes bem desenhadas
Controles responsivos
Desafiador
Muitas referências e recursos escondidos
Localização em vários idiomas, incluindo PT-BR
Contras
Um pouco curto
Um sistema de pontos e um placar online fez falta
9
Poderoso
Comentários