A casa de notícias para os fãs da Nintendo

Análise – Skate City

Um side-scrolling para relaxar

Skate City foi originalmente lançado para Apple Arcade, agora o jogo desembarca em grande estilo nos consoles, trazendo essa proposta casual para os Nintendo Switch. O jogo conta com poucas modificações da versão original, sendo na prática a adaptação dos controles.

Três cidades, três desafios

Skate City é um side-scrolling no qual o objetivo é completar desafios usando toda uma gama de diferentes manobras e combos. Como opção temos três grandes cidades: Los Angeles, Oslo e Barcelona. Cada cidade conta com um diferente cenário e obstáculos, que vão ficando mais complexos ao longo do jogo. A jornada se inicia em Los Angeles, e depois vamos para Oslo e por fim, Barcelona. Em Los Angeles, naturalmente, temos a parte mais fácil do jogo, é uma introdução com desafios mais simples e fáceis, Oslo e Barcelona introduzem mais obstáculos, tornando o jogo mais interessante.

O jogo é dividido em níveis, chamados de desafios, são 21 níveis em cada cidade, e cada nível entrega até três estrelas, com objetivos diferentes, podendo variar entre objetivos de pontuação, corrida ou completar diferentes manobras. Os objetivos não são muito difíceis de serem alcançados, embora a dificuldade seja mais elevada no fim do jogo, a escalada de dificuldade é justamente o responsável por tornar a experiência mais divertida.

Gameplay

A gameplay é simples por se tratar apenas de uma adaptação mobile, entretanto, ainda sim, existe uma leve curva de aprendizado. A velocidade do skatista é mantida através do botão A,  as variações de ollies são no analógico esquerdo e nollies no analógico direito. Não há nada de muito complexo, o jogo traz uma gameplay simplificada típica de jogos mobile. A questão aqui fica mais sobre a adaptação dos controles, a qual não é tão responsiva quanto deveria, principalmente quando se trata de manuals e grinds localizados nos gatilhos ZL e ZR. O jogo também possui um guia das manobras para consulta a qualquer momento. 

Todos os objetivos do jogo dão créditos ao jogador quando completados, que funciona como a moeda do jogo. Essa moeda permite que o jogador compre diversas personalizações para o personagem, além de dar upgrade em algumas skills e comprar novas manobras. As personalizações visuais não interferem em nada no jogo, se tratam apenas de skins. Já as skills permitem sutis melhorias de desempenho, como maior velocidade, e também é claro, podemos comprar as outras duas cidades.

Skate City é um jogo curto, o conteúdo se trata apenas das 3 cidades e seus 21 desafios cada, embora talvez parece um número razoável, é importante lembrar que os níveis são curtos, com uma duração média entre 30 e 60 segundos. O modo infinito também não agrega tanto ao jogo, sendo apenas mais um modo para prática ou ganha de créditos, ou invés de realmente trazer o espírito arcade, aqui temos um grande desperdício, afinal esse poderia agregar um fator replay que falta em Skate City.

A Beleza na Simplicidade

Uma coisa inquestionável é a estética e escolha artística do jogo, trazendo um aspecto de indie game extremamente moderno com influências de cartoon e palheta de cores bem definida. Durante o anoitecer  temporais o jogo se torna ainda mais bonito. Skate City também conta com um modo fotografia, esse modo proporciona uma visão ainda mais bela da escolha artística do jogo através da manipulação do ângulo de visão, com isso é possível garantir cortes das suas manobras. Existem alguns poucos objetivos perdidos para serem completados com o modo de fotografia, porém é nítido que a feature é pouco utilizável. 

Em questões de desempenho temos um grande problema, o jogo possui constantes quedas de frame, principalmente no modo portátil onde a experiência deveria ser mais agradável. Nas partes mais complexas do mapa as quedas se tornam nítidas, atrapalhando até mesmo o ritmo de combos. Definitivamente isso não é o esperado para essa categoria de jogo.

Por fim, Skate City entrega a proposta de um side-scrolling casual, agregando um nível de dificuldade que pode ser adaptável a qualquer tipo de jogador, o jogo é calmo e ideal para aqueles que querem um desafio simples para jogar no dia a dia. Os problemas de desempenho e a falta de conteúdo não tornam o título tão atrativo, apesar dos problemasSkate City definitivamente tem potencial e entrega  momentos de diversão.

Análise – Skate City
Veredito
Skate City é um ótimo jogo casual com controles simples, ideal para um momento de descanso. O jogo conta com lindos gráficos, mas peca pelo desempenho e falta de conteúdo.
Prós
Escolha artística
Gameplay
Personalização
Versatilidade de desafios
Contras
Desempenho
Integração com o touch
Pouco conteúdo
6.5
Comentários