A casa de notícias para os fãs da Nintendo

Análise: Super Smash Bros Ultimate

7

Demorou um pouquinho, mas enfim saiu nossa análise de Super Smash Bros Ultimate. A franquia Super Smash Bros é uma celebração na qual estão reunidos os principais personagens da Nintendo e de outras produtoras e nesse contexto o mais recente lançamento, Super Smash Bros Ultimate, é o ápice dessa celebração. Bom, vamos por partes! Certamente para a imensa maioria das pessoas que acompanham minimamente o universo dos jogos de videogames a descrição a seguir é desnecessária, mas vamos lá. Estamos falando de um jogo de luta em que jogadores utilizam seus ataques para enfraquecer seus adversários e jogá-los para fora de uma arena. Não há aqui, como na maioria dos jogos de luta tradicionais, uma barra de energia para cada personagem. O que temos é um registro da porcentagem de dano sofrido por cada lutador, quanto maior o dano mais longe o personagem é arremessado quando atingido. Mas o grande charme da séria está no seu elenco de lutadores, formado por personagens das principais franquias da Nintendo e de séries famosas de outras produtoras, como SEGA, Bandai-Namco, Capcom, Konami, Square e por aí vai. A série surgiu pelas mãos de Masahiro Sakurai, que desde o primeiro jogo, lançado em 1999, tem desempenhado o papel de diretor dos jogos. Ultimate foi desenvolvido pela Bandai Namco e Sora Ltd. e publicado pela Nintendo.

Como disse no início dessa análise Ultimate é a maior das celebrações e nada mais natural dela reunir o maior número de convidados até então visto em um game da série. Estamos falando de um total, até agora, de 74 personagens. São os 63 lutadores que já apareceram nos jogos anteriores e mais 11 novos: Inklings (Splatoon), Princesa Daisy (Mario), Simon e Richter Belmont (Castelvânia), Chrom (Fire Emblem: Awakening), Ridley e Dark Samus (Metroid), Isabelle (Animal Crossing), King K. Rool (Donkey Kong), Ken (Street Fighter) e Incineroar (Pokémon). Só para constar, quando iniciamos o jogo temos disponível apenas os 8 personagens do original Super Smash Bros lançado para o N64. Ou seja, o caminho até conseguir todo o elenco é longo, bem longo!

Modos de jogo para todos os gostos!

Há vários modos de jogo, e optei por descrever brevemente cada um deles a seguir.

Smash – Esse é um modo bastante conhecido da franquia no qual disputamos partidas rápidas envolvendo até 8 lutadores contra amigos ou personagens controlados pela CPU. Há muitas escolhas que podem ser feitas: estilo da batalha, tempo, número de vidas, stamina, etc. Felizmente há opção de gravarmos as configurações escolhidas, facilitando e agilizando cada nova jogada.

Squad Strike – Aqui devemos encarar batalhas em equipes de 3 vs 3 ou 5 vs 5. Há três formas de jogar: Tag Team, Elimination e Best of. No modo Tag Team escolhemos os times e a ordem em que os lutadores de cada time serão utilizados, vence o time que eliminar todos os integrantes do time adversário primeiro. O modo eliminação possui a mesma lógica do Tag Team, sendo que a única diferença é que quando um lutador é derrotado um novo estágio é escolhido. Já no modo Best Of o time vencedor será aquele que ganhar 3 de 5 batalhas.

Torneio – Nesse modo é disputado um torneio com até 32 lutadores, podemos escolher também vários parâmetros, como tempo e o número de vidas.

Special Smash – Temos três opções aqui: Custom Smah, Smashdown e 300 percent Super Sudden Death. Custom Smash nada mais é do que o modo Smash, só que mais louco ainda. Nesse modo podemos fazer várias modificações nos personagens: tamanho (mega ou mini), corpo (metal, com cauda, escudo nas costas, etc), podemos ainda alterar a velocidade e a câmera. Em Smashdown devemos encarar uma sequência de batalhas, mas aqui quando um personagem é usado (seja por nós ou pelo adversário), ele não fica mais disponível para seleção na próxima rodada. Novamente podemos personalizar as batalhas, escolhendo diversos parâmetros. Em Super Sudden Death o nome já diz tudo, começamos com 300% de dano e o objetivo é eliminar rapidamente o adversário com ataques mais fortes.

Classic Mode – Nesse modo jogamos uma sequência de batalhas com dificuldade crescente e no final sempre enfrentamos um chefe. Para cada personagem há um caminho exclusivo, com batalhas personalizadas! Há uma série de recompensas ao terminarmos o caminho com um personagem, então vale a pena sim jogar esse modo ao menos uma vez com cada personagem.

Mob Smash – Aqui temos novamente três opções: Century Smash, All-Star Smash ou Cruel Smash. Em Century Smash o objetivo é derrotar 100 inimigos no menor tempo possível. Em All-Star Smash devemos encarar todos os lutadores do jogo. O objetivo aqui é ver quantos você pode derrotar antes de cair. Cruel Smash tem a mesma lógica do Century Smash, mas agora os adversários são superdifíceis de serem derrotados.

Chegamos finalmente no Modo Aventura ou World of Light. Esse é o modo história oferecido pelo game, e ele é iniciado apenas com Kirby, o único sobrevivente do destrutivo ataque lançado por Galeem. Nesse modo devemos explorar um gigantesco mapa e lutar contra espíritos de personagens que compõem o universo dos games. Esses espíritos ao serem incorporados aos lutadores, conferem a eles habilidades das mais diversas. Na medida em que os espíritos são derrotados eles vão sendo adicionados a nossa coleção e, naturalmente, podem ser utilizados por nós em nossas batalhas. Há espíritos primários e de suporte, os primários adicionam habilidades do tipo: ataque, defesa ou pegada. Há uma lógica interessante e importante aqui, caso esteja enfrentando um adversário que faz uso do elemento defesa, devemos utilizar como espírito primário um de pegada. Funciona assim, um espírito de defesa deve ser usado contra um de ataque, um de ataque deve ser usado contra um espírito de pegada e um de pegada contra um de defesa.

Mas ainda há mais, muito mais, uma vez que os espíritos primários trazem “slots” que podem ser preenchidos com os espíritos de suporte. Esses espíritos secundários conferem vantagens importantes nas batalhas, eles podem por exemplo fazer com que a luta seja iniciada com um determinado item, ou fornecer imunidade a pisos de lava ou contra envenenamento, podem também fazer alterações físicas no personagem, como por exemplo começar a luta como metal, e por aí vai. É muita coisa e são muitas possibilidades! E olha que eu nem mencionei que cada espírito tem um level, e que este pode ser melhorado de várias maneiras!

O mapa em que se desenvolve o modo aventura é uma atração a parte, cheio de referências, e quando digo referências isso não fica restrito apenas a representação de regiões e cenários de franquias famosas. Há detalhes em construções que fazem homenagem até mesmo a hardwares antigos da Nintendo. Se o mapa em si, quando totalmente aberto já parece imenso, é bom ter em mente que na verdade ele é bem maior, uma vez que há regiões que são acessadas por meio de cavernas, calabouços, etc. Não quero dar spoilers aqui, mas há muitas surpresas escondidas por todo o mapa.

Temos a disposição ainda o Spirit Board, um local em separado onde temos a oportunidade de obter espíritos poderosos. As lutas nesse modo podem ser bem difíceis se não forem utilizados os espíritos certos, outra coisa, os cards com os espíritos ficam disponíveis por cerca de 5 minutos.

Além de tudo isso dito acima, há ainda o modo online. Mesmo em um jogo com tanto conteúdo como este, o modo online é uma importante garantia de longevidade e muitos jogadores compram o game por conta dele. Este modo oferece duas opções, Smash no qual disputamos partidas com outros jogadores ao redor do mundo e Spectate, onde podemos assistir a batalhas eletrizantes. Quando entramos em Smash temos as opções de Quikplay, Battle Arenas e Background Matchmaking, nesse último fazemos nossas escolhas e podemos jogar outros modos enquanto aguardamos a luta começar. Tenho jogado o game por cerca de 40 horas, desse total, por volta de um quinto foram gastos em disputas online. Não foram tantas horas assim, no entanto em momento algum tive qualquer tipo de problema jogando nesse modo.

Experiência personalizada

Uma das coisas mais bacanas de Super Smash Bros Ultimate é a possibilidade de deixar os combates super personalizados, não importa o modo escolhido, sempre há várias opções de personalização a disposição, isso faz com que o jogo se torne muito divertido para um público muito amplo. Meu filho de 7 anos, e com pouco experiência em jogos, consegue se divertir muito, amigos com muita experiência em jogos da franquia facilmente também encontraram um set-up capaz de colocar um sorriso no rosto deles. As músicas sempre tiveram lugar de destaque na série e em Ultimate não poderia ser diferente. Todas as músicas das versões anteriores estão presentes e muitas ganharam novos arranjos e novas versões. A canção Lifelight que abre o modo World of Light é linda, e claro, o game oferece um menu Sounds bem completo, permitindo além de ouvir todas as músicas presentes no jogo, criar nossas próprias playlists para serem usadas nas batalhas ou mesmo ouvir as músicas no modo portátil com a tela do Switch desligada.

Há muito mais o que falar desse novo Smash, gostei muito do balanço entre os tantos personagens, os gráficos e as animações estão ótimos com uma atenção extrema aos detalhes e ter a possibilidade de jogar um Smash com essa qualidade no modo portátil é incrível. Na minha opinião o modo aventura World of Light rouba a cena e traz novos ares e oportunidades para a série. Por tudo isso não precisa nem dizer que o jogo é mais do que recomendado, é quase imperativo a compra pra quem tem um Nintendo Switch.

 

100%
Imperdível!

A expressão carta de amor para os fãs nunca coube tão bem em um game. Dá pra passar horas e horas apenas apreciando e curtindo cada detalhe e informação que o jogo fornece. Há uma enorme quantidade de conteúdo para ser desbloqueado, muitas surpresas e disputas emocionantes. São 1300 espíritos, mais de 800 músicas, os já mencionados 74 personagens, 103 cenários diferentes sem contar as suas variações. O modo aventura é incrível e pode tomar facilmente mais de 20h para ser completado. O game cumpre muito bem a difícil missão de ser acessível para os novatos e extremamente estimulante para os veteranos. É diversão garantida por meses e meses! Vamos celebrar!

  • Design

7
Deixe um comentário

7 Tópicos
0 Respostas aos tópicos
3 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Tópico quente
7 Autores de comentários
denis_timao ⭐Mestre_ConstrutorLedigmauroalvesAdriano Ramos Dos Santos Autores de comentários recentes
  Se inscrever  
Ser notificado por
denis_timao
Amiibo

Jogo com conteúdo infinito!

Mestre_Construtor
Amiibo
Mestre_Construtor

Achei a análise bem rasa. Concordo que o jogo é muito bom. Pra mim, é o melhor Smash até hoje.
Segundo a análise, o jogo não tem pontos negativos. O Ledig citou vários pontos, e eu concordo com ele.

Enfim, Sakurai fez escolhas em como desenvolver este jogo. Entendo que algumas coisas tiveram de ser cortadas. Estou muito feliz com o trabalho final, mas sempre poderá ser melhor.

Mas mesmo assim concordo com a nota 100% pq todo gamer que se preze deve jogar este game.

Ledig
Amiibo
Ledig

Isso parece mais uma propaganda/divulgação do jogo do que uma analise :v

O jogo, embora tenha melhorado MUITO em seu gameplay “nucleo”, que são as batalhas, fases, e personagens, o jogo perdeu um pouco do charme que compõe todo o resto do jogo.
Tem muito menos modos, não encontramos Home-Run Contest, Target Blast, Break the Targets, Master Orders e Crazy Orders, Events Match (apesar que lutas de Spirit meio que substitui), Stage Builder, Masterpieces dentre varios outros.

Creio que a maior perda foi a substituição dos Trophies por Spirits, Trophies são bem mais interessantes, modelos 3D bonitos de se ver em varios angulos, além de ter uma descrição legal sobre o personagem e uma lista dos jogos em que apareceu, os Spirits são um PNG comum, e não há nenhuma descrição sobre a história do personagem, é bem “morto”.

Dentre outros pequenos detalhes, como não liberar um “curto video legal do personagem” quando se termina o Classic-Mode, ou não ter o trailer de anuncio dos personagens para assistir no Movie.

Vale mencionar que o modo World of Light é extremamente longo, há momentos legais, mas é extremamente repetitivo e cansativo, fora que a história não há nenhuma explicação, e não há cutscenes dos personagens interagindo entre si, o que, convenhamos, seria super legal de ver.

Um dos pontos positivos que eu adorava mencionar em Smash é a quantidade enorme de coisas extras que se tem a fazer no jogo fora batalhas comuns, e esse Smash caiu bastante nesse conceito. Mas, chamar amigos para batalhas 1vs1 ou bagunça com varios players está perfeito, varias melhorias para as batalhas foram feitas (stage hazards off, melhor personalização das regras, mais efeitos legais para batalhas 1vs1, tempos de loading super rapidos, etc).

mauroalves
Amiibo
mauroalves

Melee finalmente será aposentado.

Adriano Ramos Dos Santos
Amiibo
Adriano Ramos Dos Santos

Amo a série smashbros e jogo muito bem ,apesar de apanhar de jogadores experientes online ,mas me divirto muito jogando e desbloqueado uma penca de troféis virtuais , ultimamente estou jogando a versão do 3ds e aproveitando os últimos anos de vida do jogo online , não vejo a hora de ter o switão e jogar o novo jogo da série.

NMaster
Amiibo
NMaster

Eu sempre compro Smash e sempre me decepciono..devido a isso, nunca me considerei um fã da franquia. Via todo mundo elogiando, babando..e eu não conseguia gostar. Até que chegou um momento que pensei “desisto, esse jogo não é pra mim”. Jurei que não deixaria a Nintendo me fazer comprar mais um Smash se quer…e adivinhem? Comprei o Ultimate! Hahaha
Porém, dessa vez o resultado foi diferente!
Estou adorando o jogo e ele está me surpreendendo em todos os aspectos! Obrigado Nintendo por não fazer eu me arrepender de gastar meu precioso dinheiro dessa vez 😂 😂 😂 valeu a pena dar mais uma chance a franquia!!!

Mikon
Amiibo
Mikon

MELHOR JOGO NO NINTENDO SWITCH!
MELHOR JOGO DE LUTA! (como sempre)
sem mais.