A casa de notícias para os fãs da Nintendo

Análise – The Infectious Madness of Doctor Dekker

2

Escolha sabiamente sua palavras. Elas irão definir quais informações você receberá e o futuro de seus pacientes (e talvez o seu também…)


-O Enredo

Doutor Dekker era um psicanalista que foi assassinado deixando vários suspeitos a sua volta, de pacientes a sua secretaria. O seu trabalho como novo psiquiatra/detetive é descobrir informações sobre o assassino enquanto auxilia com os problemas dos pacientes.

Não tem como eu falar que “a história desenrola de tal forma” porque toda vez que um novo jogo é iniciado, o assassino é escolhido aleatoriamente dentre os possíveis culpados para que sempre ocorra o elemento surpresa e evitar spoilers numa 2ª, 3ª ou 8ª vez que você terminar o jogo, contando então com múltiplos finais.

O peculiar é que cada personagem acha que tem (ou realmente tem) uma habilidade/problema especial:

  • Nathan vive o mesmo dia repetidas vezes – No limite do Amanha, Groundhog Day;
  • Bryce tem 25 horas por dia – a meia noite o tempo para pra todo mundo menos pra ele durante 1 hora;
  • Elin é uma Shapeshifter – ela consegue mudar sua aparência para pessoas amadas pelos seus pacientes para ajuda-los;
  • Entre outros mais estranhos…

-A Jogabilidade

A grande sacada do jogo é que por ele ser um FMV (leia mais aqui) cada pergunta leva a um video resposta, que pode gerar informações para novas perguntas ou a um “beco sem saída” temporário.

A dificuldade principal —pra boa parte dos brasileiros— é que o jogo não tem localização em português e tudo deve ser feito em inglês. O jogo da opções pré definidas de perguntas para que você possa avançar, mas se quiser investigar a fundo e fazer mais perguntas, vai precisar mais do que o verbo to-be pra formar questões coerentes.

O jogo possui mais de 1600 video-respostas diferentes, e mesmo se for feito uma pergunta sem sentido, cada personagem tem diversas formas de dispensar a pergunta sem quebrar a imersão ( o que é um feito impressionante num FMV)


-O Visual

Gravado totalmente em HD, os personagens falam diretamente olhando para você, psiquiatra, e interagem muito bem com as perguntas feitas deixando a ambientação num clima investigativo mais “pesado”, o que ajuda bastante na imersão.

A tela é bem limpa e mesmo a HUD do jogo ficando quase o tempo todo na tela, ela é pequena e é semitransparente. Mais um detalhe agregando à imersão…

O jogo foi gentilmente concedido pela D’Avekki Studios para esta análise.
(The game was kindly granted by D’Avekki Studios for this review.)
91%
Intrigante

Veredito

The Infectious Madness of Doctor Dekker é um jogo de FMV como eu não via anos. Tem todo um mistério envolto na historia, personagens que conseguem demonstrar seus problemas (ou fingi-los) e a quantidade de opções caminhos que o jogador pode seguir é impressionante. O fato de você ser livre pra seguir a linha de raciocínio que quiser acrescenta ainda mais no charme do jogo. É uma pena não termos uma localização para português, tornando um produto de nicho aqui no Brasil.

  • Design
  “imagens retiradas da internet”

Deixe um comentário

2 Comentários em "Análise – The Infectious Madness of Doctor Dekker"

Ser notificado por
OniZell69
Amiibo

Qual a duração do jogo? Tava interessado mas não quero mais um jogo enorme, já tenho muitos no backlog.