A casa de notícias para os fãs da Nintendo

Análise – TOEM

Uma aventura fotográfica

Que tal partir para uma expedição levando uma câmera? É esse o breve resumo que define o conceito de TOEM, um jogo que apela para a simplicidade escondendo uma aventura criativa e cheia de surpresas. TOEM é uma aventura completamente centrada em fotografia, um motivo que com certeza faz os nintendistas se lembrarem de Pokémon Snap, no entanto, não se enganem, a proposta é completamente diferente aqui deixando a fotografia é um fator comum.

 

A primeira impressão do game está em suas escolhas de arte e respectivamente gameplay, a princípio temos um jogo com visão isométrica, portanto acompanhamos esse mundo com uma “câmera superior”. Em seguida, a surpresa vem pela escolha artística de ter um mundo minimalista através de arte 2D desenhada à mão totalmente em preto e branco, é uma escolha ao mesmo tempo atrativa e curiosa.  Em certos momentos o jogo remete histórias em quadrinhos ou desenhos antigos, o que naturalmente ativa uma memória visual muito confortável.

A combinação de visão isométrica com o mundo peculiar é muito bem feita através da movimentação de câmeras do jogo, que permite movimentação do personagem e da visão para qualquer direção, o que se tornará fundamental adiante.

A expedição

A aventura se inicia com sua avó, onde recebemos um álbum e câmera bem como os conceitos básicos da gameplay, em resumo, temos a movimentação, zoom e modo câmera (que é em primeira pessoa). Basta ativar a câmera e logo a tela muda para a perspectiva de primeira pessoa, temos foco através do botão L e zoom através do analógico R. Durante o modo câmera a perspectiva do jogo segue a mesma, porém é possível visualizar de forma mais clara a riqueza de detalhes do game. O jogo também permite a possibilidade de selfies.

A campanha do game também abusa da simplicidade. Em suma, teremos algumas comunidades em nosso mapa e todas elas possuem um ponto de ônibus para viagem, entretanto, para conseguir viajar para a próxima comunidade devemos ter uma quantidade mínima de selos. Os selos serão basicamente a sua recompensa por cumprir as pequenas missões do game, que no caso se tratam de ajudar a comunidade, resolver alguns enigmas e participar de campeonatos. Cada comunidade possui um perfil bem diferente, como a ambientação distinta, o que torna as novas comunidades níveis desafiantes, o problema é que alguns fatores se mantém entre as viagens, como o design de certos personagens.

O  jogo possui uma diversidade de alternativas e não será necessário cumprir mais que a metade das missões de cada comunidade para avançar, alguns personagens precisarão de ajuda você deve descobrir como ajudar, outros te pedirão favores onde a câmera será a chave, também teremos algumas missões mais enigmáticas e desafios fotográficos. Essa diversidade mantém a experiência fluída e pouco cansativa. O jogo também possui alguns certos ‘easter eggs’ em cada comunidade que você deve fotografar ou encontrar, como os animais por exemplo.

A gameplay do jogo é extremamente simples, bastando a movimentação principal e modo fotografia, em geral não existe pontuação para uma melhor foto ou enquadramento, o foco é a exploração e não a qualidade das imagens tiradas. É basicamente apontar e fotografar, a imagem já estará em seu álbum e basta selecionar durante a conversa com qualquer personagem. É possível também trocar uma ideia com qualquer personagem ou até mesmo acariciar gatos ou outros animais encontrados pelo caminho. A trilha sonora é calma e serve como um complemento a vibe tranquilizante do game. Tudo funciona muito bem, não foram encontrados bugs ou quaisquer problemas durante a gameplay. O maior empecilho talvez seja o idioma, já que o jogo não está traduzido em português e depende bastante da leitura em idioma estrangeiro.

Vale a pena?

Por fim, TOEM entrega um proposta simples e calma muito bem executada pelos seus 2 desenvolvedores, os gráficos em preto e branco desenhados a mão trazem um jogo que chama mais atenção pela beleza do que pela gameplay. O jogo será excelente para quem gosta de propostas mais calmas e relaxantes, como também para os que gostam de leves desafios, a gameplay é curta e em alguns momentos o jogo pode parecer repetitivo. Os controles são simples e funcionam com proeza. Temos mais um belo exemplo da criatividade de desenvolvedores indies que merece ser valorizada.

Análise – TOEM
Veredito
TOEM é uma expedição calma onde a fotografia será um aliado na descoberta, e não o ponto principal. A forma em que a arte foi utilizada tanto para exploração quanto para fotografia surpreende, no entanto o jogo peca pela repetição em certos momentos.
Prós
Gráficos
Gameplay
Criatividade
Enredo
Contras
Repetitividade
Campanha curta
7.2
Comentários