A casa de notícias para os fãs da Nintendo

Fire Emblem Hype #2: Radiant Dawn, o FE que agradou somente o nicho

Restando pouco mais de 100 dias para o lançamento de Fire Emblem Three Houses, game que recentemente teve sua música tema e boxart divulgadas pela Nintendo, vamos para a nossa segunda coluna da série Fire Emblem Hype.

Fire Emblem Radiant Dawn é um jogo lançado em 2007 para Nintendo Wii e é o sucessor de Path of Radiance, game que já falamos na nossa primeira coluna desta série. A narrativa é dividida em quatro grandes episódios e vários personagens tem seus momentos de destaque, no entanto o protagonismo fica mesmo com Micaiah e Ike.

Boxart ocidental de Fire Emblem Radiant Dawn

 

O público recebeu bem o jogo, Fire Emblem Radiant Dawn é um dos raros games em que a nota dos usuários supera bastante a da crítica. São 78 pontos no Metascore, contra 8.7 de userscore. Novamente eram mais de 40h para zerar pela primeira vez e, dessa vez, uma segunda gameplay traz momentos diferentes na campanha.

Radiant Dawn não chega a ser tão injustiçado quanto Path of Radiance se considerarmos que as críticas ao game são bem embasadas. À época, as reclamações da imprensa se pautaram em três pontos para ‘descer a lenha’ no jogo: Gráficos ruins; gameplay excessivamente difícil; história interessante apenas para quem já havia jogado Path of Radiance.

A questão que fica é que para alguém minimamente acostumado com FE, a dificuldade do gameplay (no modo normal) é na medida certa e a história acaba se revelando magnífica. Dessa forma, RD agradou bastante o nicho. O ‘calcanhar de aquiles’ fica mesmo sendo a parte visual, que em vários aspectos fica menos apresentável que a do seu antecessor, salvam-se apenas as cutscenes (confira todas no vídeo).

Mesmo num console de base instalada quase cinco vezes maior (101 milhões Wii x 21 milhões GC), as vendas também fracassaram e ficaram abaixo do título de dois anos antes. Radiant Dawn vendeu aproximadamente 500 mil unidades pelo mundo, superando Path of Radiance apenas no Japão.

As vendas fracas de dois títulos FE para consoles de mesa colocaram a franquia numa crise que só Fire Emblem Awakening salvou em 2013. Na nossa próxima coluna falaremos deste título.

Comentários