A casa de notícias para os fãs da Nintendo

Forum

You need to log in to create posts and topics.

Robotrek [Análise]

Enquanto olhava a lista de jogos publicado pela Enix, encontrei esse bem peculiar, Para a minha surpresa, o jogo foi desenvolvido em parceria da Quintet(Illusion of Gaia, Terranigma) e a Ancient(Sonic Master System, Beyond Oasis) e me lembrou o Medabots quando vi algumas imagens e logo fui atrás pra começar a poder jogar.

A trama se passa no pacífico planeta Quintenix, onde um grupo de criminosos autodenominados "The Hackers" começa uma série de ataques a pequena cidade de Rococo, a mesma cidade onde o protagonista, filho de um cientista, muda-se com sua família. ao chegar na cidade, o pai do protagonista, Dr. Akihabara, começa a agir de forma suspeita chegando ao ponte de ir para uma casa fora da cidade.

A partir deste evento o desenrolar da trama toma um caminho bem incomum para um jogo do gênero, onde tudo curiosamente acontece de forma natural, não temos um protagonista que vai em busca do seu pai e se envolve em uma grande trama ou um justiceiro que quer acabar com o grupo de criminosos sem motivo algum, temos um garoto que não fala(só com escolhas do jogador) e que toma atitudes que qualquer pessoa decente iria tomar no lugar dele, mas infelizmente a historia tem um ponto muito fraco e talvez seja o grande problema deste jogo, irei falar mais sobre este problema até o final da análise.

Os jogo tem visuais bem atrativos, sprites bem coloridas e que muitas vezes lembra bons jogos do Game Boy Advance, conta com uma exploração de mapa bem diferente para um RPG, que lembra o de Super Mario World, e cenários até que bem diversificados mesmo para um jogo curto como este.
as músicas por sua vez não são nada de especial mas conseguem casar bem com a atmosfera do jogo, e principalmente, não irritar o jogador.

Mas viemos aqui pelos Robôs! e este é o ponto alto desta pequena aventura.
desde o inicio, o jogador pode montar o seu pequeno ajudante, que vai ser a sua arma de batalha durante toda sua aventura, aliado a isso, o protagonista pode criar armas para o seu Robô e diversos outros tipos de itens, lembram que falei sobre a trama ocorrer de forma natural? isso se aplica aqui, o personagem é só uma criança e o jogo reconhece, para poder fazer ferramentas mais elaboradas ou armas mais fortes, é necessários ler livros que vão estar nos mais diversos cantos do mundo. lógico que pode ser visto como uma forma de não tornar o nosso pequeno ajudante, mas também serve para lembrarmos que estamos no controle de uma criança que tem conhecimento básico sobre o assunto.

É possível ter até três Robôs, e são muito bem customizáveis, desde cores, a status, toda vez que se evolui, pode distribuir 10 pontos nos status de cada pequeno ajudante da sua party, não existe batalhas de encontros aleatórios, é possível ver os inimigos no mapa e poder escapar de muitas lutas desnecessárias, o sistema de batalha utiliza o famoso sistema ATB com a diferença de que pode(e deve) mover seu robô pelo campo de batalha como em um jogo de estratégia.
além de tudo isso, a customização também faz parte da batalha de forma direta, pode se criar suas próprias skills(ou combos) e colocar qualquer arma que estiver disponível, para o seu robô poder utilizar.

Agora vamos ao maior problema do jogo, sua tradução oficial.
não costumo me incomodar muito com localizações de média qualidade, mas essa conseguiu me irritar e me frustrar com o jogo, o pior de tudo é saber que não é culpa do jogo, mas sim de uma equipe americana que não sabia japonês direito.
não entendam errado, eu sei que a trama aqui não é nada grandiosa, mas toda aquela naturalidade que elogiei se perde totalmente no primeiro 1/3 do jogo, depois disso, a qualidade da tradução chegam em um ponto onde é quase impossível de entender os diálogos, é possível jogar do inicio ao fim e se divertir só pelo combate, principalmente por se tratar de um jogo curto, até para os padrões do SNES, mas incomoda muito saber que um jogo que poderia ser uma experiência simples mas agradável, acabou se tornando um fardo para mim perto do final.

no fim, gosto de imaginar que o jogo serviu como base para ideias como Medabots e diversos outros jogos que vieram com a proposta parecida na jogabilidade e apesar de tudo é um jogo que recomendo muito para crianças ou para quem quer relaxar com um jogo simples mas até que diferente para a biblioteca do SNES e claro, que goste de Robôs.

                                                       Dōmo arigatō misutā robotto
65%
Pontos positivos:
visuais coloridos e sprites bem variadas
Combate Divertido e poder criar as suas habilidades

 varias opções de customizar o seu Robô

Pontos negativos:
Historia tem bom inicio e progressão natural, mas se torna algo mais complexo do que deveria ser
Péssima tradução que estragou bastante da minha experiência com o jogo, tendo que tentar decifrar o que estava acontecendo em alguns momentos próximos do final.

Cara sou apaixonado por esse jogo, foi meu primeiro contato com um RPG

Eu não gostava desse gênero por ter muitas falas e etc.

Na sétima série eu tinha um Super Nintendo (já existia o PS2, mas isso é só um detalhe), um colega de aula sabia que eu gostava e queria me vender esse cartucho, e começou a me hypar, com "um jogo de montar robôs", eu fiquei bem empolgado, porque sempre gostei e gosto até hoje dessa parada de Mechas e robôs (parte eu acho que é por causa do Medabots).

Peguei a fita emprestada por um fim de semana pra ver se eu ia gostar, eis que vem a decepção: era um RPG, bem diferente do que eu tinha imaginado (eu não tinha internet, então eu só imaginava o que ele me falava).

Como tava com a fita eu pensei, ah bora testar essa bagaça então...
Acabei gostando muito do jogo, e caiu um pouco meu preconceito com RPGs em turnos (embora não seja meu gênero favorito, hoje em dia eu gosto e não tenho preconceito)

Infelizmente não pude comprar o cartucho, porque ele queria um valor 3x maior do que eu pagava em média pelos meus cartuchos (e era dificil comprar, eu tinha que ir pra escola a pé e vender o vale transporte, tudo sem minha mãe saber, mas isso é outra história...)

Pior que se tivesse a fita hoje acho que valeria uns 600 reais no mínimo, não tinha caixa e manuais, mas era original (eu sabia reconhecer).

E infelizmente (novamente) eu fiz a [email protected]@da de trocar esse Super Nintendo por uma bicicleta quando tinha uns 13 ou 14 anos (um arrependimento eterno, eu tenho hoje 24 anos e ainda sinto esse arrependimento).

Nunca fechei mas tive umas boas horas com o meu primeiro RPG. Bom saber que mais alguém lembra dessa pérola.

Citação de cvertigem em 9 de Março de 2018, 17:47

Cara sou apaixonado por esse jogo, foi meu primeiro contato com um RPG

Eu não gostava desse gênero por ter muitas falas e etc.

Na sétima série eu tinha um Super Nintendo (já existia o PS2, mas isso é só um detalhe), um colega de aula sabia que eu gostava e queria me vender esse cartucho, e começou a me hypar, com "um jogo de montar robôs", eu fiquei bem empolgado, porque sempre gostei e gosto até hoje dessa parada de Mechas e robôs (parte eu acho que é por causa do Medabots).

Peguei a fita emprestada por um fim de semana pra ver se eu ia gostar, eis que vem a decepção: era um RPG, bem diferente do que eu tinha imaginado (eu não tinha internet, então eu só imaginava o que ele me falava).

Como tava com a fita eu pensei, ah bora testar essa bagaça então...
Acabei gostando muito do jogo, e caiu um pouco meu preconceito com RPGs em turnos (embora não seja meu gênero favorito, hoje em dia eu gosto e não tenho preconceito)

Infelizmente não pude comprar o cartucho, porque ele queria um valor 3x maior do que eu pagava em média pelos meus cartuchos (e era dificil comprar, eu tinha que ir pra escola a pé e vender o vale transporte, tudo sem minha mãe saber, mas isso é outra história...)

Pior que se tivesse a fita hoje acho que valeria uns 600 reais no mínimo, não tinha caixa e manuais, mas era original (eu sabia reconhecer).

E infelizmente (novamente) eu fiz a [email protected]@da de trocar esse Super Nintendo por uma bicicleta quando tinha uns 13 ou 14 anos (um arrependimento eterno, eu tenho hoje 24 anos e ainda sinto esse arrependimento).

Nunca fechei mas tive umas boas horas com o meu primeiro RPG. Bom saber que mais alguém lembra dessa pérola.

Muito bom saber do seu relato com o jogo! não esperava que alguém do site tivesse jogado
e sei como é isso, eu fiz algo parecido com o meu GBA por um outro console sendo que só tinha jogado pokémon, erro grande que cometi.

sobre o jogo, eu realmente gostei dele, infelizmente a tradução atrapalhou minha experiência, eu até procurei se tinha alguma feita por fãs, mas não encontrei nada, até onde sei ainda pertence a S-E, se ela soubesse valorizar as franquias que tem, certeza que teríamos visto algo de robotrek, nem que fosse em algum party game dos jogos que a S-E tem direitos.
espero que pelo menos seja lançado em um futuro virtual console.

Essa tb vai pra home. qual foi sua nota??????

Citação de Lamartine em 11 de Março de 2018, 00:47

Essa tb vai pra home. qual foi sua nota??????

Acabei de atualizar! 🙂

Jogaço! Acabei quando tinha um snes. História bem engraçada, combate cativante e a customização é ótima.

Só as musicas do jogo que não são lá essas coisas.

CADE OS RPGs DE ROBOS ???

Aquele Little Battlers Experience do 3DS é bão  será?