A casa de notícias para os fãs da Nintendo

Os jogos Resident Evil mais marcantes para consoles Nintendo

6

Há menos de dois meses do lançamento de Resident Evil 0, 1 e 4 para o Nintendo Switch, vamos relembrar os títulos da franquia mais marcantes para os consoles Nintendo, seja em termos da qualidade do game, ou por tempo em que o jogo ficou exclusivo com a Big N ou ainda por algum outro detalhe interessante.

Lembrando ainda que o Switch já conta com Resident Evil Revelations 1 e 2. Os três relançamentos para o console acontecem no dia 21 de maio, sendo que somente o Resident Evil 4 não terá uma versão física.

  1. Resident Evil 0 (2002) – Game Cube

A narrativa que se passa horas antes dos acontecimentos na mansão Spencer ganhou vida pela primeira vez no Game Cube no final de 2002. Com um novo lançamento no Wii em 2008, o game foi exclusivo para as plataformas Nintendo até 2015, quando as versões remasterizadas foram anunciadas para Playstation e Xbox.

Resident Evil 0 é o game protagonizado pela médica prodígio de 18 anos Rebecca Chambers, que acaba formando parceria com Billy Coen, homem de 26 anos com um passado sombrio. O jogador pode controlar os dois personagens, enquanto que o computador faz a inteligência artificial no outro, eles podem estar no mesmo cômodo ou separados. O foco dos puzzles está nesta cooperação.

O game foi bem avaliado à época, com 83 pontos no Metacritic e 8.7 de userscore. Figura na lista por ter sido por mais de uma década um exclusivo Nintendo.

  1. Resident Evil Revelations (2012) – 3DS

Muitos se surpreenderam quando a Capcom anunciou que seu novo RE seria lançado para Nintendo 3DS. O ainda recém-lançado portátil da Nintendo recebeu o jogo que tem os melhores gráficos no console em fevereiro de 2012.

O game escalonado em chapters (estilo da série Revelations) tem Jill Valentine como a principal protagonista, sendo ela a personagem jogável em mais da metade dos capítulos. Chris Redfield também dá as caras junto a outros personagens jogáveis inéditos.

Com uma trama envolvente e gráficos que levam o 3DS ao seu limite, RE Revelations é um jogo marcante do console e renovou a ligação da franquia com a Nintendo. Nota de 82 no Metacritic e 8.4 no userscore.

  1. Resident Evil 2 (1999) – N64

A Angel Studios, hoje Rockstar San Diego, foi responsável por uma verdadeira ‘mágica’ feita para portar o game para o console. Essa ação é vista até hoje como referência e usada de argumento sempre que as pessoas desejam um port tido como ‘impossível’.

Por mais incrível que possa parecer, mesmo com pouco espaço de armazenamento, foram feitas pequenas melhorias em Resident Evil 2 para Nintendo 64, principalmente no áudio. Para saber todos os detalhes do trabalho que deu para portar esse jogo do Play 1 para o N64, recomendo o artigo do portal Residentevil.com.

Resident Evil 2 para N64 entra na lista por provavelmente ser o port mais ousado e bem sucedido de todos os tempos.

  1. Resident Evil Remake (2002) – Game Cube

O primeiro Resident Evil, lançado em 1996, foi icônico. Mesmo assim, passados seis anos, o game já havia envelhecido terrivelmente. A atuação nas cutscenes era ridícula e a diferença técnica do Game Cube para o Playstation 1 já era absurda.

Surfando numa onda de bom relacionamento com a Capcom, Resident Evil remake chegou para o Cubo e até hoje é considerado um dos melhores remakes já feitos. Sucesso absoluto, com um 9.1 no metacritic e 9.2 de userscore.

Resident Evil 0 e Resident Evil estavam com visuais e efeitos sonoros tão bons, que foram reaproveitados quase sem alterações para o Wii. A principal vantagem é que agora era necessário apenas um único disco para rodar cada game (no Cube foram dois).

  1. Resident Evil 4 (2007) – Wii

Estamos falando aqui do jogo mais portado de todos os tempos. Por incrível que pareça, a jogabilidade na versão de Wii ficou perfeita. Embora a versão de Game Cube seja a primeira e uma obra-prima, a melhor experiência do game até hoje está presente no Wii.

Os controles de movimento ficaram leves, precisos e agradam até mesmo os jogadores mais tradicionais, pois tudo pareceu tão natural que a sensação é a de que o game foi originalmente concebido neste conceito.

Quando Resident Evil 4 foi anunciado para o Nintendo Switch foi impossível não me perguntar: Será que ficará tão bom como no Wii?

6
Deixe um comentário

6 Tópicos
0 Respostas aos tópicos
1 Seguidores
 
Comentário com mais reações
Tópico quente
6 Autores de comentários
José MahonThiago MattosZain Zahirdenis_timaoYagami Sama Autores de comentários recentes
  Se inscrever  
Ser notificado por
José Mahon
Redator

Vejo que estou chegando tarde nesses comentários, mas eu só queria deixar umas observação:

Resident Evil 2 no 64 não a façanha técnica que vendem por aí, isso tudo foi marketing da Capcom. Primeiro de tudo, eles não converteram os dados de dois discos em um cartucho. Os discos de RE2 no PS1 não eram totalmente preenchido de dados, e a maioria dos dados que de cada disco estava duplicado no outro. Para efeito de comparação, o jogo na PSN (PSP/PSV/PS3) pesa apenas 700mb, e mesmo esse ainda possui muito dado repetido.

Definitivamente o mais pesado no PS1 eram as cutscenes e a dublagem. Essa primeira está presente, no PS1, com pouquíssima compressão devido ao formato de vídeo necessário para que o console reproduzisse de forma nativa. Essa falta de otimização foi algo que todo jogo de PS1 que usava vídeos sofreu. Feito o mínimo de otimização nisso, o tamanho desses arquivos chega a cair 10x e a diferença em qualidade é minima. É mais ou menos o mesmo esquema de converter uma música em WAV para MP3. O problema, no caso do 64, é que eles foram além e converteram para uma qualidade bem mais abaixo que uma simples conversão. O mesmo aconteceu com os diálogos.

Talvez a otimização mais inteligente desse port tenha sido a forma com a qual eles usam os rápidos buffers do 64 para misturar as cenas na qual nem Leon e nem Claire aparecem com as cenas em que eles aparecem propriamente dito. São vários mini vídeos que evitam duplicar coisas desnecessárias.

Por fim, nota-se que não houve muita dificuldade nesse port. Os desenvolvedores tinham perto de 700mb de muito conteúdo duplicado e mal otimizado e diminuíram a qualidade desse conteúdo a níveis bem abaixo do original. Não houve muito mistério aqui.

Zain Zahir
Amiibo
Zain Zahir

Faz uns anos, quando o site de vocês estava só se alimentando de notícias de “números” de vendas, porque o wiiU não tinha uma vasta lista de lançamentos, e a única notícia que era garantida toda semana eram as vendas no Japão. E vocês aqui do site, para piorar, não escreviam nenhum artigo e o site era bem mortão mesmo.

Eu lembro que houve um tópico falando sobre melhorias e muitos sugeriram a criação de artigos e textos sobre temas do universo nintendo ou jogos em geral, porque o site não tinha mais nada disso. Estavam todos desanimados.

Bom, veio o Switch, deu uma animada, os lançamentos vem agora todo dia praticamente, há notícias todos os dias. O site está em constante movimentos. MASSSSSSS…

Essa parte de coluna e textos sobre temas de Nintendo e games, não tá legal.

E nem estou falando desse texto específico, os outros também foram broxantes. Acho que está faltando criatividade ou até entusiasmo para criar algo legal. Listinhas, matérias de “minha história com videogame x”, “minha época foi assim”, outro confundindo opinião com fatos, teve um que tentou emendar sociologia e games (foi um fracasso, ele até esqueceu dessa coluna ou seja lá o que era, tentou 2 ou 3 vezes, fingiu que foi bom, mas ele mesmo viu que não foi… capaz de dar a desculpa “ahh é que não tava conseguindo conciliar faculdade com o site” e essas desculpas de sempre). Enfim, deveriam abrir espaço para usuários do site, mas não da forma que vocês fazem (refiro-me a participação no tal fórum – nem todo mundo acessa o fórum, é um ponto cego no site e que gera um crescimento quase nulo… décadas antes, fórum podia ser uma boa jogada, mas hoje é só uma opção de pouco interesse).

Bom, o site está vivendo de notícias constantes, mas a gente sabe que há altos e baixos. Hoje estão em altos (em relação a notícias), mas nunca sabemos o dia de amanhã.

denis_timao
Amiibo

Muito legal o post, Bem, Resident Evil 2 sem dúvida foi o mais marcante pra Nintnedo pois além de ser o primeiro num console da empresa, muita gente dizia que era impossivel rodar aquilo num cartucho , e o jogo cumpriu com maestria,

Resident Evil 4 foi o mais revolucionário da série, e um puta marco, mas mais pra indústria toda que pra Nintendo.

O Remake foi outro marco pois colocou aqueles gráficos absurdos aínda em 2002, o jogo consegue ser bonito ainda hoje.

Revelations marcou a história dos portáteis.

Só o Zero que é nem fu nem fa….

Pra mim os mais marcantes da Big N:

1 Resident Evil 2
2 Resident Evil Rermake (Por ter sido exclusivo por muito tempo e deixado caixistas e sonystas na saudade)
3 Resident Evil 4 (Marco na industria além de exclusividade temporária)
4 Resident Evil Revelations ( um marco num console portátil)
5 Resident Evil 0

Yagami Sama
Amiibo
Yagami Sama

Resident Evil 2 no N64 é uma obra de arte. Terem conseguido portar o jogo para o N64, com toda a limitação do hardware e o armazenamento dos cartuchos, é um feito e tanto. E o tipo de “trabalho” que não vemos hoje em dia.

Domucacto_Kuno
Amiibo

2 não está em primeiro, refaz a lista